sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Zines, dinâmicas e figuras de linguagem

“Vamos fazer uma dinâmica. Vai ser o seguinte: nos organizaremos em um círculo e a pessoa que está ao seu lado lhe dirá uma palavra, que deve ser o nome de algo que encontramos em nosso cotidiano, de preferência um objeto, e sua resposta deve ser um sentimento ou uma sensação, alguma coisa abstrata, que, por algum motivo, você relacione com o objeto. Por exemplo, se eu lhe disser “papel”, você responderá com algo como “criatividade” ou “criação”, ou com qualquer outra coisa que para você faça sentido.

Foi mais ou menos assim que começamos a oficina de leitura e escrita de hoje. Nosso objetivo era chamar a atenção dos participantes para o poder expressivo das palavras e sua importância no fazer poético, sobretudo quando há certa preocupação na escolha dos termos. Estamos trabalhando com a escrita de poemas e por isso queríamos torná-los conscientes da riqueza do campo semântico e lexical das palavras e de como podemos fazer uso disso para criar poesia.

A atividade teve início e logo surgiram relações como “água – agonia” e “fruteira – saudade”. No primeiro caso, o participante relacionou a água com o afogamento e então pensou na agonia. Outro participante fez a relação com matar a sede, saciedade. Achei interessante que a água tenha sido um disparador para pensamentos tão diferentes e apontei para o fato de que uma mesma palavra suscitou, concomitantemente, tanto a ideia da morte quanto a ideia da vida. No segundo caso, o participante relacionou a imagem de uma fruteira com sua falecida avó, pois ele trazia a ideia de que toda avó deve ter uma fruteira na cozinha de sua casa e a palavra escolhida foi “saudade”.

Na segunda rodada, invertemos os papéis e agora devíamos relacionar um sentimento ou sensação com um objeto. Observei que os participantes tiveram mais dificuldade nessa etapa da atividade. Surgiram relações como “fidelidade – aliança”, “arrependimento – passagem de ônibus” e “sensibilidade – vidro”. E o legal de tudo foi perceber a potência desse tipo de dinâmica não apenas como um exercício de criatividade, mas também como disparador de pensamentos e produtor de falas. Fiquei muito contente com o envolvimento dos meus colegas ministrantes que são meus amigos e dos participantes da oficina.

Também conseguimos dar início à discussão sobre figuras de linguagem. Ontem passei a tarde toda criando um zine com as principais figuras de linguagem e para isso pedi ajuda ao professor Noslen, porque infelizmente perdi o material que usei na época da graduação em Letras. Foi o primeiro zine que fiz na vida e sei que isso é quase vergonhoso para alguém que gosta de escrever, portanto cometi alguns erros não muito graves como DEIXAR UMA PÁGINA DE PONTA CABEÇA. De qualquer forma, consegui fazer algumas cópias do zine e deu tudo certo (obrigado secretária do curso de Psicologia, por ter tanta paciência comigo e me ajudar a usar a máquina escaneadora).



Falamos sobre o que é uma figura de linguagem, como elas servem para deixar nossos discursos mais expressivos, como são aplicadas no dia-a-dia, na música e na poesia. Tivemos tempo de conversar sobre metáfora e metonímia antes de o horário programado acabar e termos que encerrar a oficina. Vamos continuar trabalhando com figuras de linguagem no próximo encontro. Estou muito ansioso para o início da criação dos zines. Eu não disse antes, mas nosso objetivo é criar com os participantes zines com poemas, pensamentos, colagens e desenhos. Franz, que é meu colega no projeto e gosta de desenhar, fez um zine muito bonito sobre momentos importantes da vida dele. Shelda fez colagens com dicas de escrita e de Literatura para quem está se preparando para o ENEM, ou melhor, para todo mundo que queira ler o zine.

Nesse fim de semana criarei meu zine artístico com trechos de contos e crônicas que escrevi, colagens e também vou me arriscar com um desenho ou outro. Agora que me familiarizei com essa ferramenta, vou usar e abusar.

BÔNUS: os participantes das oficinas nos escreveram cartas agradecendo pela dedicação. Foi muito legal!😊

8 comentários

  1. Sua oficina parece incrível, eu com certeza teria muita vontade de participar. Adorei as dinâmicas e as diferentes interpretações.

    Até <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que os ministrantes quase sempre sentem um frio na barriga, mas foi tudo muito lindo mesmo :)

      Até s2

      Excluir
  2. Que dinâmica incrível! Adoraria participar de uma reunião como essa. Parabéns pela iniciativa!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato s2. Minha equipe é muito boa. Nossas oficinas são um pouco estranhas, mas muito divertidas. Já ouvi falar sobre você, moça :)

      Excluir
  3. Eu acho sensacional como uma só coisa faz despertar tanta coisa diferente nos outros. Não é a toa, acho, que agora estou cursando Psicologia e tentando entender a mente humana, por mais que o meu amor por Letras sempre será enorme.

    Gostaria muito de participar de uma oficina assim! E produzir zines! Fiquei inspirada, tô até com umas ideias agora, risos.

    Beijinhos.
    http://afoolishmistake.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Compartilhe suas ideias comigo, moça! Fico feliz de saber que minha postagem a inspirou. Psicologia é um curso riquíssimo, não? E Letras é apaixonante, com certeza.

      Excluir
  4. Nossa fiquei com vontade de participar de algo tão dinâmico assim. Interessante a forma como decidiu se expressar; Eu acho que ficaria perdida na hora de responder, rs.
    Beijinhos :3

    ResponderExcluir
  5. De fato, fazer essas relações não é algo muito fácil e até mesmo palavras que consideramos muito banais podem nos colocar para pensar.

    ResponderExcluir

© Jefferson Adriã Reis
Maira Gall