Minha alma eclode com o universo de bode

by - janeiro 04, 2018

“Minha mãe ia me chamar de Alyssa, ‘doce anjo’ em indiano, mas, quando me viu, me chamou de Tracey. Tracey. Até parece que como sanduíche de bacon e transo no fundo do ônibus. Não como porco, cara. Não quero transar com meu namorado nem no quarto. Licença, estou tentando orar com o homem da minha vida.”



Meu ex bem que tentou me apresentar Chewing Gum no final de 2016, mas eu estava tão estressado e entediado que não dei muita atenção na verdade fiz cara de paisagem, como todo bom gay emburrado filhinho de mamãe. Este ano, para curar a ressaca deixada pela quarta temporada de Black Mirror, que me desapontou, me lembrei dessa série britânica de comédia liderada pela maravilhótima Michaela Coel, que aparece em dois episódios de Black Mirror e isso provavelmente me influenciou a sair do drama/scifi e procurar por algo mais leve.
Chewing Gum é sobre uma garota londrina que sangra pelo nariz quando está excitada chamada Tracey Gordon que vive no subúrbio e se mete em todo tipo de situações embaraçosas, constrangedoras e inesperadas. Tracey tem 24 anos, mora com a mãe e a irmã religiosas e quer perder a virgindade. Ela tem um namorado, o Ronald, mas o cara também é super religioso e pretende não fazer sexo antes do casamento. Para seduzi-lo, Tracey conta com a ajuda da melhor amiga, Candice, mas as coisas se mostram bem mais difíceis do que ela imaginava. Então aparece o fofo e irritante  Connor e as situações começam a ficar cada vez mais malucas.
A série tem duas temporadas com seis episódios, cada uma. Como os episódios são curtos, com média de 23 minutos de duração, levei dois dias para assistir a todos não fiz mais rápido porque não sou um vagabundo sem nada pra fazer. Chewing Gum funcionou direitinho como antídoto contra a ressaca, adorei Tracey e sua vontade de fazer acontecer. Os temas são muito interessantes e a dinâmica entre os personagens também. Uma coisa interessante é que a série foi premiada em 2016 pela Royal Television Society Awards e pela British Academy Television Awards. Michaela Coel também levou o BAFTA pela melhor performance feminina em uma série de comédia.



Talvez você se interesse por

0 comentários

Olá!